segunda-feira, 4 de maio de 2009

Sendo um Super-Herói

Buenas, pessoal! O Inominativo comemora o seu post de número 75! São três quartos de posts rumo ao centésimo e além!
Caramba, setenta e cinco posts? Haja linguiça pra encher em todo esse tempo, hein? Cá entre nós, se eu utilizasse essa criatividade e esse empenho todo em algo produtivo, eu estaria melhor de vida. Mas eu não quero melhorar de vida, quero fazer a vida de vocês mais divertida (ohn, que gracinha...)

Sigamos o nosso rumo, então. É dia de texto novo no Inominativo, então tenham uma boa leitura. ^^

MANUAL MODERNO DO MANO METROPOLITANO
Sendo um Super-Herói

Então, meu nobre mancebo, minha garbosa donzela. Em uma feliz tarde primaveril você foi exposto a uma dose de radiação advinda de alguma fonte altamente improvável (sendo picado por uma abelha transgênica, passando pela Usina Nuclear de Springfield, sobrevivendo a uma radiação cósmica proveniente do espaço, ou algo abilolado assim) e, agora, você está munido de inexplicáveis poderes sobre-humanos, verdade? De repente, você deixou de ser um zé-ninguém, e passou a ser um rapaz (ou uma moça) fodão, que não teme nem cárie nem o leão do IR, e está mais do que disposto a encher os vilões criminosos de bulachas e sopapos, para que eles não desviem a feliz sociedade humana do natural caminho de paz e convivência respeitosa, certo? Mas não tem certeza de como começar, eu presumo. Você nunca teve poderes sobre-humanos (não nesta vida, pelo menos) e está receoso sair fazendo caquinhas e ser preso na primeira oportunidade, né? Pois não tema! Fear not! A mais nova edição do Manual Moderno vai lidar, devagar e sempre, com essa sua capacidade hercúlea de cortar a raiz do mal mundano. E, talvez, como ficar rico e arranjar várias gatinhas pra você. Fala a verdade, esse post é ou não é imprescindível?

A início, é importante (quiçá imperativo) que você entenda quais são os seus poderes. Quer dizer, não adianta de muita coisa você estar todo empolgado por receber uma dose de radiação se você não compreende exatamente o que você ganhou. Afinal, pode ser que a única coisa que você tenha recebido foi uma sobre-humana capacidade de abrir garrafas de vinhos. O melhor que você pode fazer com isso é trabalhar em adegas como sommelieur. Você vai ser admirado por muitos, mas vai receber um salário de merda. Como eu canso de frisar, a vida é uma biscate. :P
Todo super-herói que se preza, destarte, conta com uma super-ferramenta de locomoção. Se o seu desejo foi, realmente, enfrentar o crime, você tem de se prontificar para que tenha a capacidade de enfrentá-lo rapidamente, em qualquer lugar da cidade que ele aconteça (a não ser que você more em uma cidade de, tipo, 40 mil habitantes, porque aí um patinete motorizado já serve). Por exemplo, Super-Homem voa, o Batman tem o Bat-Móvel e o Bat-Jet-Pack e o Bat-Helicóptero portátil, o Flash corre que nem corintiano fugindo da PM, o Homem-Aranha atira teias de aranha e voa por entre os prédios... Você não vê por aí heróis entrando nas estações de metrô ou entrando nos ônibus lotados para salvar as vítimas de assaltos. Então certifique-se de que você tem um arojado e eficiente método de traslado por sua metrópole. E se você, infelizmente, não tem um método de transporte rápido, de dois, um: ou você mora perto do centro da cidade e tenta defender uns 3 quarteirões; ou você desiste de ser super-herói e vai ganhar dinheiro no Faustão. Se vira nos 30, meu! Ô loco, olhaí!

Bom, você já descobriu como chegar na cena do crime. Agora, temos que pensar no que fazer quando você chegar lá. Ou você acha que os vilões ficarão amedrontados somente com a sua capacidade de voar ou de criar uma dobra espaço-temporal que transporta você automaticamente? No, sire! Você tem que utilizar o seu poder para derrubar uma gangue de malfeitores! Como fazer isso?
Muito dependerá do seu poder. Novamente, de nada adianta um poder chulé, como uma capacidade sobre-humana de calçar meias no escuro. Você precisa de, no mínimo, capacidade de lutar artes marciais (de preferência uma oriental, que ensine você a derrubar dez capangas mesmo quando você estiver desarmado e sozinho). É bom também ter força para que seus murros doam nos caras, e que você seja esperto pra que não acabe apanhando. Ou, você pode ter um super porrete de beisebol que nocauteie qualquer metido a esperto. Ou um super flato mortal. Sei lá, mas tenha a certeza de que o seu poder é a diferença entre mandar os caras pro hospital ou ser mandado para o hospital pelas autoridades policiais competentes. Se o seu caso for o último, então não saia para as ruas para causar problemas. Não atrapalhe os policiais, e fique em casa assistindo Heroes. Confie em mim, assim você será bem mais útil para a sociedade. Seu zero à esquerda.

Outro importante aspecto em ser um super-herói é a camuflagem da sua identidade. Convenhamos, ser famoso é uma zica da braba. Imagina, você ser seguido por paparazis a toda hora por ser o salvador da cidade. Suas fotos em lanchonetes, cinemas, lojas de artigos esportivos e boutiques estamparão todos os tablóides e jornalecos, enquanto você quer um pouco de sossego para recuperar sua saúde por causa da pancadaria de ontem à noite. Ah, sim, tem também o fato dos criminosos tentarem atacar seus entes próximos para enfraquecer você, é verdade. Mas eu acho bem mais incômodo quando os paparazis o seguem até o banheiro. Um saco.
Pensando nisso, arquitete um sagaz esquema para que você continue sendo um zé ninguém, mesmo que todos conheçam o super-herói que você é às escondidas. Use uma máscara, use uma roupa (de preferência cafona, com a cueca por cima da calça), disfarce a voz, pra que algum amigo mané não o reconheça e inutilize seu disfarce. Enfim, planeje sabiamente para que você não seja você mesmo quando estiver utilizando os seus poderes. E, no resto do dia, aja como se você não tivesse poder algum. Confie em mim, você não quer esse tipo de atenção. A não ser que você queira chamar a atenção de algum espécime do sexo oposto. Nesse caso, até vale, mas seja discreto. Não faça o bar inteiro chamar a redação do Fantástico, hein?

No mais, aproveite os seus poderes secretos! Aproveite sua capacidade de voar para tirar fotos do alto de prédios e pontes para montar wallpapers bonitos para publicar na internet. Trapaceie nas mesas de pôquer em Las Vegas com sua visão raio-x, e dê uma surra nos seguranças do cassino quando eles descobrirem que você está roubando. Arranje uma grana licenciando bonecos de ação que imitam você (sim, claro, não deixe que os outros enriqueçam por sua causa).
Ser super-herói pode, sim, trazer uma série de responsabilidades, como salvar a cidade, cuidar da formação moral dos cidadãos (e especialmente das crianças, que adoram heróis que acabam com o crime) e manter a corja de bandidos na linha. Mas ser um ícone da justiça pode até ser legal. Você pode dar autógrafos enquanto estiver mascarado (só faça o favor de disfarçar a caligrafia) e dar entrevistas no Jô.

Ou, melhor ainda, pode ignorar todo este manual, e dizer fuck it para a luta contra o crime. A partir daí, pode se divertir hoje e sempre com os seus poderes, entrando em vestiários femininos, ganhando dinheiro com um talk-show na TV, virando ícone de um programa de vale-tudo, ou só tirando sarro dos outros esportivamente, mesmo.
Imaginem só, voar por aí à toa, não ter de acordar cedo pra ganhar dinheiro, não ter preocupações nenhumas com a vida ou com a humanidade... Pra quê, ficar salvando os humanos do crime? Eles pagam impostos pra polícia, mesmo, é o trabalho dos policiais, e você não deveria facilitar o trabalho dos outros se eles são incompetentes.

Aproveite seus novos poderes, meu amigo super-herói! Mas aproveite com parcimônia. E lembre-se: se beber, não saia voando por aí. Você pode dar vexame. Isso não é bom pra sua imagem. :B

Ouvindo:
Make it Wit Chu
Queens of the Stone Age
Era Vulgaris (2007)

3 comentários:

orlandojr disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk...morrendo de rir aqui.....egua, meu...esse eh o melhor dos meia duzia de posts que ja li....vc se supera a cada dia, rafa.definitivamente podias ta usando esse dom pra subir de vida...promete que manda bju pra gente quando tiver uma coluna na veja??

abrass...

Jussara Bazán Amaecing disse...

[...] (a não ser que você more em uma cidade de, tipo, 40 mil habitantes, porque aí um patinete motorizado já serve).
Put'z QUE LEGAAL!!
Eu já posso ser uma super heroina uhuuuh ... Só falta comprar meu patinete :E

Anônimo disse...

O Rafa na Veja??
Tá loco meoo?!
Ele vai escrever no The New York Times :DD