domingo, 13 de janeiro de 2008

Lidando com Computadores

Gente boa! Como vão os senhores? As senhoritas? Aqueles que são indecisos? Se você for um indeciso emo, desejo que esteja sofrendo muito. Caso contrário, espero que esteja indo bem, como sempre. ^^

O Rafael que vos fala escreve este post preocupado. Os seres humanos, mais do que nunca (ô lôco, meu!) estão estressados e irritados e, no geral, bastante frustrados com peças fundamentais de seu cotidiano moderno do século XXI. E a culpa disso, na maior parte, envolve um computador. Acontece que, como sabemos, não é correto culpar o pobre computador por tudo de errado. Precisamos rever nossos conceitos! Mas como fazer?
Opa! Se estamos falando sobre 'vida moderna', 'raça humana' e 'como fazer', então...

MANUAL MODERNO DO MANO METROPOLITANO
Lidando com Computadores

Há anos atrás, as pessoas viviam sem computadores. Não usavam o MSN pra falar com os parentes distantes, não orkutavam, não tinham fotologs para expor suas bonitas imagens e nem podiam falar bobagens aleatórias na internet. Eram tempos obscuros.
Agora, todos irão concordar que naquela época, a felicidade geral da população era consideravelmente maior. Oras, é só a gente ouvir uma nostálgica conversa do tipo "Na minha época...", para termos certeza, as pessoas eram mais felizes antes, quando os preços eram menores, os políticos honestos e esse blá-blá-blá todo. Mesmo sem as máquinas computadoras e fazedoras de tudo, o mundo era mais contente naquela época!

Entretanto, se a gente pensar bem, é fácil a gente deduzir o porquê. Oras, ninguém se estressava com o computador nos tempos remotos! Não havia o Windows há dois séculos, ou há cinqüenta anos, right? O computador não fazia birra, não dava pau, você não tinha que entrar em uma guerra para acessar a internet, não havia vírus comedores de tudo, não havia formatação do Cê dois pontos! Vejam que interessante paradoxo! Desde que colocamos um computador em nossa sala (ou quarto, ou cozinha, ou banheiro, ou onde mais você goste de colocar seus muitos PCs), descobrimos que computadores estressam a humanidade. Conforme um graduado engenheiro uma vez disse, os computadores nasceram para resolver problemas que antes não existiam. Temos que perder nossa esportividade e nossa razão para lidar com eles, porque máquinas, ao que parece, foram feitos para atrasar a vida humana! Pra atazaná-la! Pra irritá-la! E, o pior, os computadores têm conseguido êxito, até agora.

Mas não é saudável ficar emperreado com o computador não, meu rapaz. Este pequeno guia foi compilado para ajudar a ti, homem ou mulher de paciência escassa, a lidar melhor com estas infelizes armações de silício e plástico. No Stress!

Antes do começo, antes de ligar o computador, antes de sentar na frente dele, comece mudando seu ponto de vista a respeito do PC (ou Mac. Tudo depende do seu poder aquisitivo e de sua preferência de marca; oh, estou divagando de novo). Se você sentar na frente do seu monitor já estressado, pensando que vai ter mais uma sessão de raiva e ódio, você normalmente acerta. É um mistério o porquê, mas parece que computadores sugam a má energia de uma sala, e usam como combustível. Algum engenheiro que era médium e queria pregar peças nos outros, talvez?
Então, bom homem e boa moça, lembre-se, sempre e sempre: trate as máquinas como suas empregadas. A função delas é ajudar vocês, por mais não pareça. Elas não são inimigas, não são espiãs do governo americano, não são templos de adoração ao Capeta. São grandes complexos eletrônicos formados de silício e plástico, e nada mais. O problema com elas é que elas são burras, tadinhas. Certo, elas sabem calcular coisas totalmente inúteis, como a milionésima casa decimal do pi (lembram-se do pi?) mas elas são retardadas com coisas importantes, como, por exemplo, sua pressa em relação a um trabalho escolar. Então seja compreensivo. Lembre-se que, se ela não está fazendo o melhor possível para te ajudar, é porque ela não sabe como te ajudar! Ela só sabe rodar o Windows. E male-male...
Então não desconte sua fúria na pobre tadinha. Ao contrário, ela é sua aliada, sua ferramenta indispensável. É como uma arma pra um caçador. Ou você acha que um bom caçador põe a culpa na arma? É nada, se o caçador errou o tiro, há uma enorme chance do erro ter saído de algum lugar diferente da arma. E não foi a caça, certo?

Se o seu problema não for sua boa vontade em relação ao computador, seu problema pode ser outro: suas finanças. Você deseja que seu computador consiga rodar perfeitamente a última geração do Photoshop e do Corel DRAW!, e descobriu que seu Windows dá problemas até rodando o Paciência, né? Então não existe nenhuma dose de bom-humor que salve seu dia, rapaz. Dessa vez, parece que a solução é o bom e velho capitalismo. Abra o coração (e a carteira), vá até seu centro de compras de produtos eletrônicos mais próximo (o meu, por exemplo, é a Rua Santa Ifigênia, no centro da cidade paulistana) e vá às compras. Mais memória, um HD novo, um processador potente, um teclado que brilha no escuro (afinal, beleza também é fundamental) e outros badulaques de nerdes, que a maior parte da população precisa, mas não entende. Se você comprou tudo certo e instalou tudo devidamente, seu computador deverá estar pronto para enfrentar as dificuldades do envelhecimento digital.
Os problemas que dificultam aqui, mais uma vez, nada têm a ver com o computador mas, sim, com sua condição sócio-econômico-financeira. O que quer dizer que se você for pobre, ou dedicar pouca atenção financeira ao seu computador, você tenderá a passar muito tempo irritado com ele. E se quer saber minha opinião, isso é bem-feito. Agora, se você dedicar uma parte substantiva do seu orçamento à recauchutagem, aí você verá como seus stresses diminuirão.
Por algumas semanas, talvez. Logo logo você se acostuma com a nova velocidade adquirida e vai querer ainda mais velocidade. A raça humana não consegue se enganar, sabe?
É, também ficou implícito que se você for pobre, você estará destinado a ter um computador atrasado. E viverá sucateado e marginalizado na sociedade capitalista digital. A sua saída é ser um comunista esquerdista analógico - isto é, fazendo propagandas anti-capitalistas-digitais com panfletos feitos à mão. Boa sorte. Quem mandou ser pobre? >D

Agora, chegará, às vezes, o inevitável momento em que você se estressará. Ficará nervoso. O sangue subirá ao seu cérebro como o cheiro de um pum de repolho sobe em uma sala. De repente, tudo fica turvo, seus punhos se cerram, e você explode. AAAAAAARRGHHHH!!! Pronto, você ficou nervoso.
Lembre-se, agora: não agrida o computador. Não pense em atacá-lo, em chutá-lo, em mordê-lo, em dar uma chave de braço ou um mata-leão. Desconte em outra coisa. Você tem um irmão menor, não? Expie seus problemas nele! Ou no seu mascote, ou em alguma comida por perto - dar várias mastigadas repetidas em um pedaço de pão costuma ser muito promissor.
Descontar em seu computador sua raiva tem muitas implicações perigosas. A primeira delas é que, muito provavelmente, não vai adiantar. O computador não sabe que está sendo agredido, e a única reação que ele terá ao ser agredido é não ter qualquer reação. Ele continuará fazendo o que quer que ele estava fazendo que te irritou. A não ser, é claro, que você arranje uma marreta, e desça com tudo na torre do computador. Aí, bom, ele não fará mais o que fazia. E não fará mais nada, provavelmente.
Por mais que você não o destrua perpetuamente, você pode danificar o computador. Quebrar o mouse, o teclado, sua webcam, o monitor, you name it. E vai lá você, ogro espertão, gastar mais dinheiro comprando coisas que você já comprou. As empresas de fabrico de peças de computador agradecem imensamente.

Pelo contrário, existem implicações com o esmurro de um computador que transcendem a razão e a lógica, e acho justo comentar. Primeiro, você pode estar considerando uma possível vendeta entre homens e máquinas, e pode acreditar que, eventualmente, máquinas tomarão o poder e escravizarão a raça humana (os irmãos Wachowski que o diga), e você pode decidir agredir o computador enquanto você tem tempo. Ou, talvez, você acredite, no fundo no fundo, que os computadores sabem, sim, que a gente fica irritado, e que eles ajam desse modo só para nos sacanear. É, confesso que tem horas que todo mundo acredita. E você quer penalizá-lo pelo comportamento deliberado. Então nada mais justo que agredi-lo, como punição.
Punições serão, nestes e em quaisquer outros casos, maneiras de mostras a máquina que você tem algo que elas não tem: capacidade de agressão desnecessária. Você é um ser humano, cazzo! É o que você sabe fazer! Ficar nervoso, agredir com murros e urrar! Não negue suas raízes primatas, seu parentesco com gorilas e chimpanzés! Urre! Uh! Uh! Mostre ao computador que ele não passa de um ábaco de madeira bastante frágil, nas mãos de uma criança que não sabe brincar. É um ábaco cheio de badulaques legais, é verdade. Mas é só um ábaco. E você não sabe brincar.

Para concluir, cito Steve "Woz" Wozniak, co-fundador da gigante da indústria digital, a Apple. Disse Wozniak: "Nunca confie em um computador que você não possa jogar pela janela".
O que me faz lembrar do simpático senhor alemão de Hamburg, norte da Alemanha, que jogou seu computador do sétimo andar, depois de ficar realmente revoltado. Chamaram a polícia e tudo, mas o senhor de 71 anos não foi preso. Felizmente, ele não acertou ninguém passando na rua, e pôde sair ileso. Só teve que pagar os danos causados, e recolher os cacos do computador da rua.
Se eu tivesse lançado esse manual antes do ocorrido, é provável que o simpático senhor tivesse aprendido a lição, não ficasse irritado com o seu computador e nunca o jogasse 7 andares abaixo. Mas, ah, a gente tem, no fundo, a certeza de que hoje ele é mais feliz pelo que ele fez.

Então, sei lá, maltrate seu computador, chute-o, amasse-o, esmague-o, incinere-o. Ou não, faça como o sugerido pelo Manual de hoje. Mas lembre-se, sem estresse. Deixe o estresse pra outra hora. Pro horário político, talvez. Especialmente quando você vir a cara do Presidente Lula. :P

Ouvindo:
Clocks
Coldplay
A Rush of Blood to the Head (2002)

4 comentários:

Kelly disse...

Haha, sem stress é impossível =P

Cibele disse...

Meu mouse anda meio sentimental esses dias. Ele se recusa a clicar em alguns links (geralmente aqueles q eu preciso). Então eu gentilmente dou leves batidinhas com ele na mesa. Sério, o sangue sobe as vezes por causa dele. E quando eu estou a ponto de realemente destroça-lo, ele funciona! Vai entender.
Aah, computadores... uahauhau

beeeeijos primoo

Kaaaaarla, aaarla, aarla, rla, la... disse...

Meu irmão uma vez esmurrou o computador quando o simpático resolveu travar durante um joguinho dele ._.
Resultado?
A tela do monitor caiu e ele recebeu um choque nada simpático em sua mão :B

Computadores são sacanas, eu gooooosto deles =D

Bezo meu bem!

Filósofa de Banheiro disse...

Hey amor!

Adorei... dei boas risadas e olha, apesar dele estar tentando me tirar do sério, não está conseguindo! Sou superior a ele! haha... ;P

Amo vc querido!